domingo, 29 de julho de 2012

Minha Carta de Motorista - Parte 1



Uma das coisas que eu tive que vencer logo que cheguei aqui nos EUA além do idioma, foi ter que tirar a minha carta de motorista. Ao chegar aqui, percebemos a necessidade de dirigir, os lugares são longes. Aqui, não é em todo cidade que temos ônibus a toda hora, se tem mais nas cidades grandes... dirigir hoje em dia não é mais um luxo, penso eu que isso é em qualquer país.

Mas deixe me volta a minha história sobre minha carta de motorista... quando percebi que havia necessidade de ter, logo achei que seria moleza, pois eu já tinha carta de motorista do Brasil e tinha uma noção, então seria fácil.

Lembro que uma esposa e eu que vimos juntas do Brasil, fomos fazer o exame (detalhe ela nunca tinha dirigido). No exame escrito, ela passou e eu não! Foi um susto pra mim! Voltei pra igreja e todos lá esperando: passou? passou? Não :-(

Até aí tudo bem, supostamente não passei porque não sabia espanhol (a desculpa que dei para aliviar a barra). Passando as semanas, todos começaram a me perguntar se eu não ia de novo, que eu tinha que tirar, que eu não podia dar mole, que agora iria passar porque já estava entendendo mais o espanhol... quando começava o assunto de tirar carta entre minhas amigas, eu fugia... mas eu precisei ir de novo, pela validade do exame... eu fui certa que iria passar e aí? Não passei de novo pela segunda vez!!!!

No caminho para a igreja, eu já estava irada comigo mesma, eu teria que ouvi tudo de novo as minhas companheira falando... e agora! foi a sua segunda vez! E você não conseguiu! Blá, blá, blá. Eu comecei a ficar frustrada com isso, pois até meu esposo começou à me cobrar também. O tempo foi passando, e mais uma vez fui fazer o teste pelas cobranças das minhas amigas, do meu marido e, lá eu de novo pela terceira vez não passei. Meu Deus! Alguma coisa está errado comigo!

Fiz o teste por escrito, no computador, em lugares diferente e nada! Fui de novo fazer o teste determinada, com fé que receberia um aprovado e pela quarta vez????? NADA!!!! Não passei!

Novamente no meio do caminho chorando e revoltada comigo mesma, meu esposo falando nos meus ouvidos, as emoções gritando, pensei em ter que ouvir quatro vezes mais, as perguntas das minhas amigas ao chegar na igreja... mas eu decidi não fazer mais. Pra mim era uma vergonha ter que ver minha amiga que tinha ido comigo fazer o exame, sem ter nenhuma noção de dirigir e, vela ela dirigindo, podendo ajudar mais e eu não.

Mas o meu problema foi que eu confie no que eu tinha, a minha carta de motorista do Brasil, e quando eu estudei aqui para tirar carta, eu não me dediquei, eu não me esforcei, lia só o livro e não quis estudar... mas eu não queria reconhecer isso.

Eu estava na Sede, não havia necessidade pra mim ter carta, se precisava fazer algo ia com as esposas (elas dirigindo), se eu precisa-se comprar comida, meu esposo me levava ao mercado, no meu mundo de Boby’s eu achava que não precisava, que eu tinha carta no Brasil e sempre andei de ônibus à pé, o coração me convenceu que não havia necessidade de ter, eu achava que poderia ajudar em outras coisas, que isso era estressante de mais pra mim, era melhor me dedicar no idioma... mas estava redondamente enganada.

Quer saber quantas vezes mais eu tiver que fazer o exame? Saber o que eu tive que fazer para vencer essa isegurança?

Volte aqui na terça ;-)