quinta-feira, 27 de maio de 2010

Meu pedido, sacrifício e resposta sentimental



O ano de 2005, abracei a proposta de fé da Campanha de Israel por um sonho: minha vida sentimental. Eu nunca tinha feito um pedido sentimental a Deus antes, esse seria o primeiro, e na minha visão, já estava na hora. Eu estava a quase 3 anos como obreira e com 18 anos, e o desejo de servir no altar já estava bem definido dentro de mim.

Eu me lembro de como gerei meu sacrifício, acompanhada de uma obreira, que diariamente saia na rua comigo vendendo churrasquinho doce, foi uma guerra, mas demos nossa vida e, espiritualmente também sacrificamos em jejuns e orações, evangelizando e, na fé também no grupo jovem.

A campanha era no dia dez de Julho, domingo, e no sábado à tarde, estávamos muito felizes, pois já estávamos com o voto completo, e com a certeza da resposta, quando fomos pegas de surpresa....

Lembro que subimos a sala do grupo jovem, e uma obreira nos falou que queria vender seu cabelo, que era lindo, cachos longos, bem pretinhos. Ela perguntou a mim e a obreira que me acompanhava nas vendas se sabíamos aonde tinha um salão, e ficamos conversando a esse respeito. Lembro que ela falou: Vocês tem fé obreiras? Vamos lá comigo! Vendam o de vocês também! Eu sem pensar duas vezes respondi: o meu cabelo, não!!!! Lembro que quando dei o assunto por encerrado virando as costas pra descer da sala, a obreira disse: Obreira, Deus quer o seu cabelo!

Nossa aquilo foi um choque pra mim! Desci pra sala das obreiras, e eu pude ouvir nitidamente Deus me dizer: Vai, sacrifica o cabelo! E eu decidi obedecer: só se for agora, porque a fé é como um raio.

E aí fomos, a noite cheguei chorando na IURD, com o cabelo igual de homem. Doeu muito. Dói até quando eu lembro, rsrsrs. Mas a resposta foi tão imediata, que eu mesma não acreditava. Na terça-feira, dois dias após eu subir no altar com meu sacrifício, conheci meu esposo. Ele estava como pastor no interior do estado e viajou a capital pra levar os pedidos do povo. Ele até hoje diz que me conheceu na minha pior
aparência, rsrsrs (a foto à esquerda já tinham seis meses que havia sacrificado, já estava melhorzinho,rsrsrs).

Deus honrou a minha fé. Porque eu ouvi e obedeci a Sua Voz. Meu esposo e meu casamento são frutos da minha fé no altar.

Feliz e com novos sonhos, na fé do Sinai

Roberta Kelly