segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Minha História continua-6



E assim, meu novo desafio começou… viajei para o EUA. Finalmente chegamos no Texas, pra mim era tudo novo. Eu nunca tinha mudado de SP, as igrejas que mudava sempre dava pra mim ir ver minha mãe, sempre em reuniões de pastores revia esposas que conhecia, sempre tinha a oportunidade de ver alguém que eu conhecia nos corredores da João Dias.

Mas agora era diferente, eu não conhecia ninguém. Nós viajamos 7 horas de avião e eu não entendia nada que as pessoas falavam dentro do avião. Chegamos no Texas, e lá estava a esposa de um pastor nos esperando com um papel imprimido, com o coração da IURD. Fomos para a sede do Estado, nunca tinha visto essa esposa, seu nome, Sandra. Ela me recebeu em sua casa, foi uma pessoa que me ensinou muuitas coisas (Ela e seu esposo teve uma paciência de Jó mesmo). Tudo para mim era muito novo, eu não sabia espanhol e muito menos Inglês(nadinha meninas). A necessidade da obra fora do País é muita… e isso eu via e vejo claramente(eu me arrependi de ter pensando tão errado de vi para EUA). Eu estava acostumada ver as igrejas cheias, aquela multidão de obreiros Hoho, concentrações grandes. Mas me deparei a uma necessidade tão grande da obra de Deus, quando cheguei aqui.

No inicio em me adaptar as coisas não foi tão difícil no sentido de viver, por exemplo: aqui eu não encontrava tantas coisas do Brasil tipo comida (agora já se encontra), tive que me acostumar com o café daqui, isso pra mim foi difícil rsrs… eu amo café do Brasil. Aprendi a gostar de algumas coisas daqui, que no inicio eu não conseguia nem sentir o cheiro, meu estômago embrulhava. O bom foi que... eu tenho me tornado uma boa cozinheira rsr, como aqui não tem muitas opções, então, se tenho vontade de comer uma coxinha... eu faço e muitas outras coisas que nunca tinha feito no Brasil, pois era só passar na padaria e encontrava fresquinho, agora, aqui é necessário muitas vezes fazer. Mas uma das dificuldades foi o idioma (eu já escrevi sobre isso aqui no blog).

Sandra me ensinou de uma forma mais eficaz que não vou me esquecer… seu exemplo. Que poderíamos servir da forma que Deus quisesse nos usar a partir do momento que você se coloca a disposição Dele. Eu via ela correndo pra lá e pra cá o dia todo, ela não tinha hora de dormir, sempre quando eu ia ver, ela sempre estava fazendo algo pra Deus. E sempre ela estava disposta no final da noite para colocar o seu uniforme e trabalhar na reunião, atender alguém.

Eu comecei a observar que os pastores, as esposas, as pessoas, que sempre faziam alguma coisa, e vi o quanto Deus também poderia me usar e me lancei completamente, deixei Ele me usar, mesmo não sabendo nada. Então, eu me tornei definitivamente em um chiclete pegado no sapato da Sandra, eu me coloquei a disposição de Deus, e assim, eu pude aprender e começar ajudar a obra de Deus no novo lugar.
Os meses que fiquei na sede, eu tive essa oportunidade, não me importava como Ele queria me usar, ficava na escolinha, saia para evangelizar, limpava, atendia telefone do programa mesmo com o meu Espanhol Horrível de se ouvir, eu estava maravilhada está ali fazendo alguma coisa. E foi quando Deus confiou de nos mandar para uma cidade que tinha núcleo e que poderia ser igreja, huahuau que honra.

Mas eu não sabia que nessa cidade eu teria uma oportunidade, uma chance de poder me salvar, pois, Ele poderia me usar, mas eu não estaria pronta definitivamente. Eu amava servir a Deus, como amo até hoje, mas se nós não temos certeza do nosso encontro com Deus (temos dúvidas, inseguranças), vai ter uma hora que se você não deixar de se enganar, você não vai agüentar por muito tempo.

Deus quer fazer uma obra muito grande em Nós… mas para isso acontecer precisamos SER Dele de verdade, deixar tudo não só o pecado, a vida errada, mas também manias que é contra a nossa fé e, quando isso acontece… não temos dúvidas.

Continua…