quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Minha História continua-3


O tempo que servir a Deus no Brasil.... recém chegada para o altar, me casei e fiquei ainda 6 meses no Litoral (São Vicente-Tupy), pra mim ainda era muito novo, mas eu ainda tinha aquela sensação de conforto, pois eu conhecia a maioria das pessoas, eu era de lá. Eu ainda tinha contatos com minhas amigas obreiras, ia na casa da minha mãe, tudo pra mim ainda era normal.

Por mais que passei dificuldades no inicio de ser uma dona de casa, de cair a ficha que eu não poderia fazer o que eu queria na igreja, porque agora eu era a auxiliadora do meu esposo, eu tinha que andar junto com ele e não andar na frente e deixar-lo pra trás, mesmo assim, eu tinha essa sensação de conforto.

Foi quando eu tive a minha primeira mudança… do litoral, a onde eu tinha nascido, vivido, que conhecia quase todos e que minha família vivia lá, e fui para o Grajaú-SP. Eu não esperava que iria para Capital, confesso que sempre quis servir a Deus longe de tudo e de todos, foi aí que comecei a viver o que eu queria, depender somente de Deus. Eu cheguei na sede do Grajaú muito feliz, estaria trabalhando lá com o regional que já tinha sido o meu pastor quando eu era obreira. Tempos muito bons, pois mesmo sendo esposa, tive a oportunidade de está próxima das obreiras, naquela época começou a minha caminhada na EBI. Nós trabalhávamos duro para que esse trabalho crescesse lá, tivemos vitórias.

Mas eu passei por lutas, e também muitas criticas, pois eu era nova de casada, não me arrumava bem, eu ainda não consegui estar arrumadinha como uma esposa e também pelo meu jeito de ser(ativa demais). Deus estava cada dia mais me dando responsabilidades, eu estava me sentindo usada por Ele, mesmo sem experiências. Sempre tive dentro de mim, que não importava o que Deus me daria, seja pouco ou muito sempre faça o meu melhor para Ele.

E assim, Ele me provou… Ele tirou tudo de mim… tuuudo!!! Eu não entendi nada, falaram coisas horríveis de mim, coisas que nunca fiz, e fui para uma igreja da região. Sinceramente não esperava isso acontecer comigo, pois nunca tive pensamentos de vinganças, de querer mau dos outros... mas não fui com nenhuma tristeza no meu coração para a nova igreja, pois eu sabia que Deus ia mostrar. Mas eu me abati pelo que falaram de mim. Pois eu tinha na minha mente, que eu nunca seria mau falada (isso de verdade acabou comigo). Eu continuei servindo a Deus, estava contente de está nessa igreja, ali passei dificuldade do tipo, meu esposo e eu fazia 2 horas de ônibus todo o santo dia para chegar na igreja, por causa do trânsito de SP(quem mora em SP sabe do que estou falando), ia pendurada do lado de fora muitas vezes dos ônibus, fui várias vezes assaltada... mas era um prazer de chegar na igreja e, poder atender alguém, ficar na escolinha com as crianças, limpar, evangelizar com as obreiras. Mesmo assim, eu estava bem com relação a isso… mas em relação as criticas infelizmente ainda não. Eu guardei isso dentro de mim por muuito tempo.

Deus chegou mostrar depois de 2 anos, mas aquilo ficou dentro de mim me fez mau. Eu fazia tudo de todo coração, mas eu era insegura e desconfiada com as pessoas que eu trabalhava, por muitas coisas eu me escandalizei na obra(hoje eu entendo que não era a obra e sim o homem, porque a obra é santa). Você sabe que no nosso meio existem pessoas que infelizmente não tem servido a Deus e sim a si mesmo. São pessoas que buscam convencer que a obra de Deus é do homem, quem decide é o homem, e muitos desses assuntos vinheram e me confundiram e, sabe o porque eu balancei??? Porque eu não era nascida de Deus!!! e muito menos eu não tinha o Espirito Santo (e o pior que o tempo que tive servindo a Deus no Brasil, eu não me dava conta, porque mesmo longe da casa da minha mãe... eu estava na minha zona de conforto). Toda situação que eu passava, eu já não olhava de uma maneira que fazia parte de um processo de crescer com Deus, e sim a mão do homem.

Depois disso, eu continuei servindo a Deus, sem nenhum problema (aparentemente). Eu pude aprender amadurecer na obra, mas eu tinha uma macha dentro do meu coração. Mesmo que meu casamento ia aos pouquinhos bem, nas igrejas que passávamos sempre abençoávamos o povo, o nosso trabalho era um trabalho de Deus, porque Ele tinha misericórdia e me usava, pois havia a necessidade das pessoas.


Continua...