sexta-feira, 24 de junho de 2011

Mão Amiga - Experiência V

Olá D. Graciele!

Mais uma vez, registrando aqui nossa experiência, e quão grande experiência!
Minha parceira, é minha irmã, e confesso que não tivemos uma criação com tanto amor, era notório para qualquer pessoa, ver a diferença de tratamento entre a gente e nossos irmãos homens. Toda a prioridade da casa era deles, sempre, e não importava que tipo de assunto fosse, se era financeiro, meu pai abriu uma confecção e colocou no nome deles, depois tirou a carteira de motorista deles, dinheiro, era pra eles, e como já não bastasse, na hora de comer, também era eles em primeiro,e a gente, só se sobrasse.
O tempo passou, e Graças a Deus me converti, e conheci O Amado de Minha Alma, e mesmo assim, as diferenças continuaram, e agora, de uma forma diferente, TERIA QUE AMÁ-LOS mesmo assim (não foi fácil), chegou um dia que minha mãe mandou eu procurar um lugar pra morar, porque a nossa casa era pequena demais pra nós duas disse ela (a casa tinha 4 quartos,sala, garagem era grannnnnnde), e tive que sair. Conseguimos ganhar minha irmã também pra Jesus (minha parceira), daí continuamos a guerra.
Continuei tendo contato com minha família depois de casada, porém sempre com receio de que poderia acontecer tudo de novo, aquele sofrimento vir a tona, e já não tinha tanto prazer em fazer alguma coisa por eles, pensava nisso erroneamente.
Quando vi a terceira missão, comecei a achar graça, claro, porque não acreditei na hora que poderia ter forças suficiente pra fazer isso, nem mesmo minha mãe aceitar com amor. Mas encarei legal o desafio. Faltando um dia pra cumprir a missão, falei pra Deus que não estava sentindo nada, aí voltei a lembrar, que tudo iria depender da nossa fé acompanhada de atitude, revolta contra tudo isso que tentava nos deixar longe da nossa casa (família).
No último dia, colocamos a nossa força, fui ao supermercado e comprei algumas coisas para o nosso café da tarde! (inesquecível)... ao chegar falamos: VIEMOS TOMAR CAFÉ COM VOCÊS!!!! kkkkk eles não entenderam nada, pra resumir, até a hora de ir embora, minha mãe dizia: ameiiiii, muito obrigada, obrigaduuuuuuuuuuuuuela não se cansava de dizer, fez carinho no meu rosto, nos abraçou, tambem falou que nos amava, e os olhos dela e de meu pai, nadavam em lágrimas de satisfação. Foi maravilhoso essa oportunidade que DEUS nos deu, pode ter certeza, e meu pai ainda falou que a gente poderia fazer isso mais vezes. E agora ainda lembro cada minuto vivido naquele dia.
O QUE VALE UMA ATITUDE NÃO É?
AMEI, E MUITO OBRIGADA PELO EMPURRÃOZINHO KKKKKKKKKKKKKKKKKK
DEUS ABENÇOE A TODAS AS NOSSAS FAMÍLIA!!!!

ANA SOFIA E PERPETUA
FORTALEZA - CE