terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Quem é você quando ninguém está olhando?


Quem é você quando ninguém está olhando? Talvez essa pergunta não faça a menor diferença para alguns, mas, para você, talvez sim. O que ocorre é que há muita gente que aprendeu a se esconder e se proteger atrás de máscaras, de verbalizações ensaiadas, de sorrisos fabricados e comportamentos dramatizados. É mais do que comum, quase corriqueiro, convivermos com esse tipo de gente; pura fachada, farisaísmo. Não só nas ruas, mas em todas as agremiações e ajuntamentos sociais, nos deparamos com pessoas que a todo custo tentam demonstrar quem na verdade não são, a fim de parecerem melhores, agradáveis e perfeitas. “Ganho entendimento por meio dos teus preceitos; por isso odeio todo caminho de falsidade.” Sl 119:104.

Muitos formam uma imagem externa agradável, mas que não condiz com o coração. Esse é um grande mal do qual devemos fugir. Quanto maior é a distância entre o que somos e o que aparentamos ser, mais mal estamos causando a nós mesmos e às pessoas que nos cercam.

Pois, não adianta ser um grande herói por fora se por dentro estamos arruinados. Quem representa um papel de falsidade está se deixando levar pela mentira.
No entanto, o caminho para a restauração é o reconhecimento de nossos pecados. O arrependimento que é acompanhado por uma busca de uma nova vida, através da comunhão com Deus.

Ao usar máscaras podemos enganar algumas pessoas. Até podemos conquistar posições importantes na sociedade. Só que não estaremos bem com Deus, que detesta quem usa da falsidade. Até mesmo as pessoas que nos cercam, um dia vão perceber quem realmente nós somos.

Portanto, como somos conhecidos pelas pessoas? A idéia, a imagem que elas fazem de nós se aproxima da verdade de quem nós somos? Assim, este aproximar da imagem que formamos do que realmente nós somos deve ser nossa luta constante. Pois, quem não faz isso está buscando sua própria ruína. É o que vemos em Pv 11.6: “A honestidade livra o homem correto, mas o desonesto é apanhado na armadilha da sua própria ganância.”

Deste modo, não sejamos como um vaso de barro pintado de ouro, mas um vaso que guarda o grande tesouro da Palavra de Deus. Logo, sejamos uma pessoa que ama esta palavra e odeia todo caminho de falsidade. Que tenhamos sempre atitudes verdadeiras que brotam de um coração sincero. E no lugar da glória pessoal busquemos ser conhecidos como servos de Cristo Jesus.

Lembre-se, uma aparência bonita não substitui o valor do coração. Sejamos coerentes, vivamos e falemos a verdade, sejamos nós mesmos, pois o Senhor se agrada da verdade no íntimo e nos recompensará.